Resenha do livro “O Peregrino” de John Bunyan

o peregrino 2

Essa obra-prima de 1678 de John foi traduzida em mais de 200 línguas em todo o mundo. As referências para “O Peregrino” estão aparentemente escondidas em um punhado de livros que eu li ao longo dos anos, As aventuras de Huckleberry Finn, Little Women, Jane Eyre, e As Vinhas da Ira, para citar alguns, por isso é difícil explicar por que fiquei com a impressão de que eu nunca, nunca, nunca ouvi falar dele.

O Peregrino foi basicamente o Harry Potter nos dias de hoje, tirando uma coisa: os Puritanos amavam esse livro. Desde sua juventude, Bunyan teve visões de demônios e ouviu vozes que o obrigou a “falar de Cristo” e desistir de seus vícios mais podres e destrutivos. Bunyan começou a escrever “O Peregrino”, uma alegoria cristã, durante o tempo que passou na prisão por pregar sem permissão.

Com este contexto em mente, deixe-me apresentar Cristão, o nosso protagonista. Cristão representa o “homem comum”, um indivíduo comum com o qual o leitor se identifica. Pense em Bilbo Bolseiro, do “Senhor dos Anéis”. Ao ler a Bíblia e reconhecer o seu próprio pecado, Cristão fica tão desesperado para chegar à “Cidade Celestial” que ele abandona a sua própria família e segue o caminho para a sua salvação, sendo guiado pelo caminho por um personagem chamado Evangelista.

Ao perceber que Evangelista não tem a confiabilidade de, digamos, o Google Maps, Cristão sofre inúmeras provações e passa por diversos obstáculos (para não mencionar o tamanho que fica a barba dele) em sua busca pela Cidade Celestial. Ele também encontra personagens alegóricos adicionais com nomes como “Boa Vontade”, “Prudência”, “Hipocrisia”, “Sr. Mente Fraca” e “Grande Desespero”. Uma vez que o título já deu o final, não há mal nenhum em dizer-lhe que ele, de fato, chega ao seu destino, a tão sonhada Cidade Celestial.

Será que o livro merece a mesma glória eterna alcançada pelo seu protagonista? Bem, francamente, nenhum suspense envolvente já começou com uma “Apologia do autor.” O livro “O Peregrino” é, um sermão ficcional cuidadosamente baseado na Biblia, e um pedaço intenso de literatura.

Citações favoritas:
“Pois, eu percebo, o caminho para a vida está aqui:
Venha, entregue seu coração, não seja fraco nem tenha medo.”

“Agora, agora, olha como os peregrinos santos montam,
as nuvens são os seus carros, os anjos são seu guia.”

Fonte: Punchnels

A Manah Books é uma livraria cristã com chamado missionario.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s